Perguntam-me não raras vezes:
- "Qual o livro de José Saramago que mais gostaste de ler?"
A resposta que pode ser dada a cada momento:
- "Impossível de dizer... não sei responder, não seria justo para com outros (livros) não nomeados. Mas uma coisa sempre soube. Uma obra de Saramago, enquanto "pseudo ser vivo" ou com "gente dentro" tem que me raptar, prender-me, não me deixar sair de dentro das suas páginas. Fazer de mim um refém, e só me libertar no final da leitura... mesmo ao chegar à última página. Aí, o "Eu" leitor que se mantém refém, liberta-se da "gente que a obra transporta dentro" e segue o seu caminho.
Mas segue um caminho que se faz caminhando, conjuntamente com mais uma família"

Rui Santos

terça-feira, 18 de junho de 2019

9 anos

No dia em que se assinalam os nove anos da morte de José Saramago, urge continuar a sua obra e fazer perdurar a memória do homem que foi.



sexta-feira, 23 de novembro de 2018

"Saramago, inéditos de Lanzarote" Crónica de Mercedes de Pablos (Crónica Global, Barcelona - 19/11/2018)

"Veinte años después del Nobel, aparece en un disco duro de un ordenador el sexto 'Cuaderno de Lanzarote', que reúne las anotaciones del escritor el año del galardón"


Crónica de Mercedes de Pablos, publicada no "Crónica Global" de Barcelona, 19/11/2018

"Incrédulo impenitente como era, Saramago torcería (levemente, que tampoco era un gesticulador acalorado) el gesto si oyera o leyera alguna relación de su vida y obra con los números o demás sortilegios. Pero el caso es que los números bailan en la vida del Nobel portugués y hay cierta fascinación en su biografía por las horas, los años y sus tiempos. En su casa de Lanzarote (hoy museo visitable y a la vez habitado) los relojes marcan la hora en la que conoció a su mujer y traductora Pilar del Río, las cuatro de la tarde, y esta cifra exacta que son los veinte años ha marcado una efeméride, dos décadas de la concesión del único Nobel en lengua portuguesa, para un hallazgo que más que de chistera mágica emergió de un disco duro y de las frías tripas de un ordenador.

Veinte años exactos después del Nobel, en el viejo ordenador de mesa, que forma parte hoy casi del mobiliario de su biblioteca, Pilar y el escritor y director de la Fundación Cesar Manrique, Fernando Gómez Aguilera, descubrieron que bajo la carpeta Cuadernos además de los ya publicados cinco Cuadernos de Lanzarote (diarios del escritor donde aparecen pensamientos, escritos y confesiones) había silente un sexto, el del año 98. Precisamente el cuaderno del año en que su vida cambió porque su agenda se vio multiplicada por cien mil anotaciones."


"El mismo Saramago en los primeros meses del aquel 1998 dejó dicho y escrito que andaba en esa escritura, pero luego vino el tsunami desde Estocolmo y lo que había sido un anuncio se convirtió apenas en un recuerdo. “Mi palabra ahora es más útil y eso me compromete aún más” dijo en la primavera del 99 cuando alguien le preguntó qué había cambiado de verdad en su vida después del galardón más importante del mundo.

Nada más cierto. Muchas veces se ha dicho que el portugués más que un Nobel de literatura, que lo es y con todos los merecimientos, ejerció de Nobel de la Paz porque no ha habido causa humanitaria ni digna en la que no se haya mojado los pies, las manos y la boca, muy especialmente. No en vano en el discurso de la cena del Nobel (no en el de la Academia sueca, aquella pieza tan bella que Saramago dedicó a su abuelo, el hombre que no sabía leer y del que había aprendido todo y que se nos rescata en este Cuaderno) el escritor habló del cincuenta aniversario de la Declaración Universal de los Derechos Humanos, otra vez un número redondo, otra vez la oportunidad de aprovechar unas fechas para hablar de los valores y de los compromisos. 

Un compromiso que le llevó a viajar por todo el planeta y que, sin embargo, no lo alejó de su literatura. Algunos de los más bellos y rotundos libros fueron escritos después del Nobel: La Caverna, El Hombre Duplicado, Ensayo sobre la Lucidez, Las Intermitencias de la Muerte o ese brillante Caín, que a punto estuvo de convertirse en póstumo. 

Entre una cosa y la otra El Cuaderno del año del Nobel fue olvidándose. Lo olvidó el escritor y lo olvidaron sus editores y su traductora y compañera. A su muerte, hace ahora diez años, de nuevo una cifra redonda, se revisaron manuscritos y apuntes, el mismo Gómez Aguilera, comisario de la muestra La consistencia de los sueños, buscó y rebuscó en papeles y anotaciones. Se publicó una obra de juventud, también los tres capítulos de la novela en la que andaba aun enfermo (Claraboya y Alabardas), se editaron los artículos que diariamente escribía en su blog de la Fundación, bloguero de lujo, bloguero sin pelos en la lengua, bloguero generoso. Pero los cuadernos del 98 no aparecieron porque andaban emboscados en un genérico, andaban travestidos de obra ya conclusa editada y leída, andaban esperando la magia del 20 para que vieran la luz precisamente ahora.

La editorial ha celebrado este azar con la edición de otro libro firmado por Ricardo Viel sobre precisamente el aniversario del Nobel y lo que en esas fechas se vivió, se contó, se escribió. Y Saramago vuelve a estar tremendamente vivo en esas páginas en las que vuelca opiniones y reflexiones con esa punta de acidez y sarcasmo que, curiosamente, le protegían de la ira o del muy hispánico cabreo.

Usa el humor, ese estilete tan elegante, para hablar de su tremendo desencuentro con la derecha gubernamental de su país: por ejemplo, un instituto de Mafra (escenario de Memorial del Convento) propone adoptar su nombre y el ministro Do Santos lo veta: “Odio viejo no cansa: no se cansará su odio pero mi desprecio tampoco”.

O cuando regaña, y casi se le oye sonreír, a sus paisanos que critican el regalo del gobierno español de un cuadro de Felipe II con motivo de la Expo de Lisboa, olvidando que Portugal, en la Expo del 92 de Sevilla, obsequió un lienzo sobre la batalla de Aljubarrota: “El ridículo no es una enfermedad mortal pero aquí en casa parece haberse vuelto incurable”.

El año 98 comienza con Saramago, como escribe el 1 de enero, intentando  salvar un árbol de su jardín de una terrible ventolera nocturna y acaba el 14 de Enero del 99 con el Nobel agachado ignominiosamente en la planta de caballeros de El Corte Ingles de Madrid comprando calcetines. 

Mientras, un año da para muchos artículos, muchas conversaciones, muchas confidencias en ese tono suyo tan escueto y profundo a la vez. Y para alguna contradicción que hace que el lector, que lee desde su presente aquel pasado, se regocije: “Juro por los dioses de todos los cielos y olimpos que nadie tocará Ensayo sobre la ceguera”. Habla el Nobel de una posible versión cinematográfica. Diez años después, en 2008, el escritor se emocionaría con la maravillosa versión (Blindnees) filmada por Fernando Meirelles y protagonizada entre otros por Marck Ruffalo y Julianne Moore. Afortunadamente en este caso y como una rareza en su brutal coherencia el Nobel se desdijo. Porque veinte años no es nada y es todo. Porque hay voces que nacieron para la eternidad."



"José Saramago: um humanista por acaso escritor"


O vídeo está disponível para consulta, via YouTube, aqui

"Filme-homenagem que busca olhar o mundo pelas lentes desassossegadas de josé saramago. documentário que revive o redemoinho de sensações, palavras e lembranças deixadas em quem o sentiu por perto. um humanista, que usou os microfones de um escritor, para gritar sobre o nosso mundo."

"Las confesiones de José Saramago: el cuaderno secreto del escritor" - Miguel Polo "Gentleman El Confidencial" (23/11/2018)



'El Cuaderno del año del Nobel' es un diario inédito que refleja las reflexiones, acontecimientos, anécdotas y apuntes del autor escritos a lo largo de 1998

A crónica de Miguel Polo, publicada no "Gentleman El Confidencial" (23/11/2018) pode ser recuperada e consultada aqui

"En 2001, en el epílogo de 'Los Cuadernos de Lanzarote II', el propio Saramago había anunciado que pronto vería la luz un "sexto cuaderno" que permanecía oculto en su ordenador y narraba "las ideas, los hechos y también las emociones con que el año 1998 me benefició y alguna vez me agredió".

Pero el frenesí de actividades a las que se vio abocado inmediatamente después de la concesión del Premio Nobel, más el hecho de que, justo en esa época, reemplazara su antiguo ordenador por otro que no estuviera tan cargado de asuntos pendientes, desterraron esas palabras tan esperadas al fondo de un disco duro.


Más tarde, cuando Saramago pudo retomar su relación con la escritura, hizo sospechar que tal vez ese misterioso diario, del que nadie había leído ninguna palabra, ya no aparecería.

Pero en febrero de este año, mientras se trabajaba en la recopilación de sus conferencias y discursos, se produjo un hallazgo extraordinario en el pozo sin fondo del disco duro del ordenador reemplazado: un archivo titulado Cuaderno 6. Y allí estaba. Doscientas páginas que, a veces en forma de apuntes sueltos, certeras y precisas reflexiones filosóficas, artículos políticos o literarios y ejemplos de la correspondencia con sus lectores, nos ofrecen una visión única de la vida y el pensamiento del autor.

LOS IMPRESCINDIBLES DE SARAMAGO
Día de los Santos Inocentes de 1998. 17:05 h. De la rampa del fax brota un puñado de hojas. "Apreciado amigo, aquí van las respuestas de José. Dice que se lo ha pasado bomba plantando su árbol genealógico". Lo crean o no, lo impreso era la fotocopia del auténtico libro de familia del maestro y sus 11 apóstoles literarios. Un tesoro perdido que acabo de rescatar. ¿Parece milagro, verdad? Pues aquí lo tienen. Y huele a Saramago que alimenta.

PADRE ANTONIO VIEIRA
Porque nunca el portugués fue más bello que cuando él lo escribió.

MIGUEL DE CERVANTES
Porque sin él España sería como una casa sin tejado.

FRANZ KAFKA
Porque probó que el hombre es un coleóptero.

LUIS DE CAMÕES
Porque todos los caminos de Portugal van a dar a Camões.

MICHEL DE MOINTAIGNE
Porque no necesitó de Freud para saber quien era.

VOLTAIRE
Porque perdió las ilusiones sobre la humanidad y sobrevivió a eso.

RAUL BRANDAO
Porque demostró que no es necesario ser un genio para escribir un libro genial: Humus.

ECA DE QUEIRÓS
Porque enseñó a los portugueses la ironía.

JORGE LUIS BORGES
Porque inventó la literatura virtual.

GOGOL
Porque contempló la vida y la encontró triste.

FERNANDO PESSOA
Porque la puerta por donde se llega a él es la puerta por donde se llega a Portugal."


quarta-feira, 21 de novembro de 2018

José Carlos Vasconcelos entrevista José Saramago - Programa "Escrever é Lutar" da RTP (17/09/1974)

Programa "Escrever é Lutar"
RTP 17 de Setembro de 1974
José Carlos Vasconcelos entrevista José Saramago naquela que será a primeira aparição na televisão

Seguir o link indicado

https://arquivos.rtp.pt/conteudos/jose-saramago-4/?fbclid=IwAR3L7AZcbJt453OdGufXGiDC25GE1r2v-uCrdYS6kXMSfoSGsrL5tRpFFa4

"Introdução com alguns dados biográficos, nomeadamente o facto de ter publicado dois livros de poemas até ao momento, dois livros de crónicas e um romance; foram, recentemente publicados pela revista "Seara Nova" os textos editorias que o entrevistado terá escrito no "Diário de Lisboa"; Para breve estará na forja um livro de poemas e um outro romance. 03m19: Início da conversa com a eventual ligação da produção literária do entrevistado com a recente Revolução de 25 de Abril de 1974; alusão ao facto de ser director da Associação Portuguesa de Escritores e a sua opinião sobre o papel dos escritores na sociedade actual após o 25 de Abril de 1974; Comentário à censura do Estado Novo da qual foi alvo várias vezes enquanto jornalista."

"Entrevista do jornalista José Carlos Vasconcelos ao escritor José Saramago, sobre a sua vida pessoal, a obra literária, e o momento que se vive em Portugal no pós 25 de abril de 1974.

Nome do Programa: José Saramago
Nome da série: Escrever é Lutar
Locais: Lisboa
Personalidades: José Saramago, José Carlos Vasconcelos
Temas: Artes e Cultura
Canal: RTP 1

Menções de responsabilidade:
Autoria e apresentação: José Carlos Vasconcelos
Tipo de conteúdo: Programa
Cor: Preto e Branco
Som: Mono
Relação do aspeto: 4:3"

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

José Saramago, nascido neste dia no ano de 1922



"Filho e neto de camponeses, José Saramago nasceu na aldeia de Azinhaga, província do Ribatejo, no dia 16 de Novembro de 1922, se bem que o registo oficial mencione como data de nascimento o dia 18. Os seus pais emigraram para Lisboa quando ele não havia ainda completado dois anos. A maior parte da sua vida decorreu, portanto, na capital, embora até aos primeiros anos da idade adulta fossem numerosas, e por vezes prolongadas, as suas estadas na aldeia natal.

Fez estudos secundários (liceais e técnicos) que, por dificuldades económicas, não pôde prosseguir. O seu primeiro emprego foi como serralheiro mecânico, tendo exercido depois diversas profissões: desenhador, funcionário da saúde e da previdência social, tradutor, editor, jornalista. Publicou o seu primeiro livro, um romance,  Terra do Pecado, em 1947, tendo estado depois largo tempo sem publicar (até 1966). Trabalhou durante doze anos numa editora, onde exerceu funções de direcção literária e de produção. Colaborou como crítico literário na revista  Seara Nova. Em 1972 e 1973 fez parte da redacção do jornal Diário de Lisboa, onde foi comentador político, tendo também coordenado, durante cerca de um ano, o suplemento cultural daquele vespertino.

Pertenceu à primeira Direcção da Associação Portuguesa de Escritores e foi, de 1985 a 1994, presidente da Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa de Autores. Entre Abril e Novembro de 1975 foi director-adjunto do jornal  Diário de Notícias. A partir de 1976 passou a viver exclusivamente do seu trabalho literário, primeiro como tradutor, depois como autor. Casou com Pilar del Río em 1988 e em Fevereiro de 1993 decidiu repartir o seu tempo entre a sua residência habitual em Lisboa e a ilha de Lanzarote, no arquipélago das Canárias (Espanha). Em 1998 foi-lhe atribuído o Prémio Nobel de Literatura."

Biografia de José Saramago, publicada na página da Fundação José Saramago 



terça-feira, 13 de novembro de 2018

"José Saramago Rota de Vida Uma Biografia" de Joaquim Vieira (Livros Horizonte) em destaque na edição online do DN

"A biografia de Saramago para esclarecer portugueses sectários

A perceção nacional sobre o único Nobel da Literatura em língua portuguesa ainda é mais negativa do que positiva para os seus concidadãos. Pode ser que a biografia de Joaquim Vieira ajude a esclarecer os maus leitores de Saramago."

Via edição online do DN, pode ser consultada aqui
em https://www.dn.pt/edicao-do-dia/13-nov-2018/interior/a-biografia-de-saramago-para-esclarecer-portugueses-sectarios-10167864.html

"A introdução de Joaquim Vieira à sua mais recente biografia, José Saramago - Rota de Vida, é reveladora do preconceito para com um dos mais importantes escritores da literatura portuguesa. Nela conta como propôs, enquanto diretor adjunto do semanário Expresso, que se convidasse Saramago para escrever uma crónica semanal em 1993. Justificara o convite com a sua experiência própria de leitor soixante- huitard, o modelo de uma coluna existente no Le Monde, e porque pressentia que o autor ainda poderia vir a ser Prémio Nobel. Assim aconteceu cinco anos depois, deixando o jornal sem a sua marca como testemunho impresso nas páginas de sábado devido às posições do então diretor José António Saraiva, e o fundador Pinto Balsemão, contra a presença de um comunista num jornal de tradição liberal."

"José Saramago no famoso plenário no "Diário de Notícias" 
em 1975, do qual terá resultado o saneamento de jornalistas.
Foto DN/António Aguiar"


"A revelação é a primeira entre as muitas que esta biografia hoje apresentada oficialmente na Biblioteca do Palácio Galveias traz nas suas 751 páginas. O local da sessão não terá surgido por acaso, afinal foi naquelas salas que o operário José se formou intelectualmente e se transformou em Saramago, o escritor que acalentava desejo de o ser desde cedo e que até aos 60 anos nunca teve sucesso suficiente para se destacar entre a "aristocracia" que dominava as letras portuguesas.

Teve a sorte, disse-o Saramago, de ser demitido de subdiretor do Diário de Notícias após a deriva esquerdista do pós-Revolução do 25 de Abril e de ter ido parar a Lavre, uma terra alentejana em que a cooperativa e os comunistas que por lá andavam o fizeram ouvir a voz literária que colocou para trás de si a maioria dos autores seus contemporâneos e inovou a narrativa nacional.

O biógrafo Joaquim Vieira faz um levantamento exaustivo do seu percurso de vida com recurso a inúmeras entrevistas de quem o conheceu ou trabalhou com ele, revê estudos e investigações de outros sobre o biografado, e escreve o mais longo trabalho que Saramago teve até agora sobre a sua vida e obra. Que esclarece bastantes pormenores de uma vida que foi dourada por amigos, contestada por inimigos, maltratada por estudiosos da literatura das últimas décadas, analisada com despeito ideológico por alguma crítica literária e até amaldiçoada por várias figuras governativas pouco esclarecidas.

Não será por acaso que o primeiro capítulo começa com o discurso de Saramago na entrega do Nobel em Estocolmo. Joaquim Vieira destaca a escolha do premiado em elogiar o seu avô tratador de porcos e questiona se foi uma "tirada literária concebida para a ocasião" ou um "pensamento genuíno". Desta e doutras dúvidas está a rota de vida de José Saramago cheia, que o biógrafo tenta esclarecer de vez neste livro, não se preocupando em observar os limites do politicamente correto ou satisfazer interesses.

A melhor notícia é que esta biografia escapa à hagiografia habitual dos que estavam próximos de Saramago e dos que lhe estão ainda. Não retira um ponto da sua vida ideológica como se vai tentando esbater, não ignora a sua roda-viva emocional que colegas seus fazem questão de debicar em sussurro, não passa ao lado das invejas na vida editorial que o "jovem" Saramago tem de enfrentar quando se tenta aproximar dos "grandes" durante o anterior regime, não esquece as duas primeiras mulheres nem o papel de Isabel da Nóbrega nos primeiros grandes sucessos de Saramago.

A página 216 da biografia é um bom exemplo desta última situação, quando uma "incógnita amiga" refere como Isabel da Nóbrega encontra Saramago: "O Zé não se sabia vestir, e nem tinha dinheiro para isso. Quem o arranjou, etc., foi ela, quase como numa campanha de publicidade - eu diria que a Isabel criou o produto."

A página 271 (e seguintes) é outro bom exemplo da velha questão do "saneamento" no Diário de Notícias que aqui é tratado com bastantes depoimentos de jornalistas que viveram a situação.

A página 419 é um bom exemplo de como parte do poder não apreciava Saramago, onde se relata o exemplo do caso do atraso de sete meses na entrega do Prémio Cidade de Lisboa e de o então autarca Krus Abecasis dizer na cerimónia que "não me perturba dar um prémio que exprime uma conceção do mundo inteiramente oposta à minha e à dos cidadãos que me elegeram".

A página 525 é um bom exemplo de dois temas grandes da biografia de Saramago, o escândalo de O Evangelho segundo Jesus Cristo e o ruir do universo comunista.

A página 665 é um bom exemplo de como a outorga do Prémio Nobel irritou em muito os seus concidadãos, designadamente o que se chamava a crítica literária que utilizou o romance pós-Nobel A Caverna como o melhor exemplo para o pior da escrita de Saramago.

As únicas páginas que faltam neste José Saramago - Rota de Vida são aquelas que poderiam proporcionar um maior detalhe sobre a vida literária pós Levantado do Chão, mas a biografia aponta para o conhecimento maior do homem e não pretende ser uma radiografia literária. Portanto, nada a apontar sobre a opção, até porque o período pré-Levantado do Chão faz dos melhores retratos do esforço literário do escritor."



"José Saramago Rota de Vida - Uma Biografia

Joaquim Vieira

Editora Livros Horizonte

751 páginas

A obra será apresentada hoje por Fernando Dacosta, às 18.30, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa"

"José Saramago Rota de Vida Uma Biografia" de Joaquim Vieira (Livros Horizonte)


Apresentação da obra de Joaquim Vieira
Hoje, 13/11, pelas 18h30

Na Biblioteca Palácio Galveias em Lisboa 











terça-feira, 2 de outubro de 2018

"Programa - 20 anos do Prémio Nobel a José Saramago" - FUNDAÇÃO JOSÉ SARAMAGO

"Programa - 20 anos do Prémio Nobel a José Saramago"




"No dia 8 de outubro de 1998 José Saramago tornou-se o primeiro, e até agora único, Prémio Nobel de Literatura em língua portuguesa. Agora, passadas duas décadas, uma série de iniciativas pretende recordar esse momento histórico para a literatura lusófona, celebrando o Prémio e o Escritor que o recebeu.
A Fundação José Saramago organiza ou co-organiza várias dessas actividades, tanto em Portugal como noutras partes do mundo. As celebrações arrancam nos dias 6 e 7 de outubro, com uma iniciativa organizada pelo Gabinete do Primeiro-Ministro em conjunto com a Fundação: o Primeiro-Ministro António Costa irá visitar lugares emblemáticos da vida e obra de José Saramago: Lanzarote, Azinhaga e Lisboa. Em Lanzarote, a visita contará com a presença do chefe de governo de Espanha, Pedro Sánchez.

Entre os dias 8 e 10 de outubro, em Coimbra, terá lugar o Congresso Internacional «José Saramago: 20 anos com o Prémio Nobel», coordenado pelo Professor Carlos Reis, que conta com 6 dezenas de comunicações e mais de 300 participantes. No primeiro dia do Congresso será apresentado o livro Último Caderno de Lanzarote (edição da Porto Editora), inédito de José Saramago.

Este livro será depois apresentado em Lisboa, a 12 de outubro, dia em que a Biblioteca Nacional de Portugal inaugura uma exposição documental dedicada a José Saramago. Esta sessão será também de apresentação de Um país levantado em alegria, de Ricardo Viel, que conta os bastidores dos dias que antecederam e que se seguiram ao anúncio do Prémio.

A 15 de dezembro, encerrando as comemorações, o Grande Auditório da Culturgest será palco da estreia mundial da sinfonia Memorial, composta por António Pinho Vargas, baseada em três romances de José Saramago e de celebração também dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Além de Lisboa, no Porto, em Madrid, Guadalajara, Belém do Pará, Vigo, Lanzarote, Azinhaga e em muitos outros cantos do mundo, José Saramago e a língua portuguesa serão celebrados.

A todas as entidades, públicas e privadas, que colaboram com a Fundação José Saramago neste programa, deixamos uma palavra de agradecimento.

Abaixo, deixamos a agenda das iniciativas já programadas para a celebração dos 20 anos do Nobel. No decorrer das próximas semanas, avançaremos mais detalhes sobre cada uma das iniciativas:

Agenda 20 anos Nobel

6 e 7 de outubro, Lanzarote, Azinhaga e Lisboa
“Lugares de Saramago”, um roteiro com o Primeiro-Ministro António Costa por  lugares marcantes da vida e obra de José Saramago
Uma iniciativa do Gabinete do Primeiro-Ministro e da Fundação José Saramago

8 a 10 de outubro, Convento São Francisco, Coimbra
Congresso Internacional “José Saramago: 20 anos com o Prémio Nobel”

12 de outubro, Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa
Apresentação dos livros Último caderno de Lanzarote, de José Saramago, e Um país levantado em alegria, de Ricardo Viel, e abertura de uma exposição em homenagem a José Saramago 

25 de outubro, Fundação César Manrique, Lanzarote (Espanha)
Apresentação do livro Último caderno de Lanzarote, de José Saramago

29 de outubro, Biblioteca Almeida Garrett, Porto
Apresentação de Último Caderno de Lanzarote, de José Saramago, e Um país levantado em alegria, de Ricardo Viel

31 outubro, Fundação José Saramago, Lisboa
Sessão com Ana Margarida Carvalho sobre os contos de José Saramago

7 de novembro, Fundação José Saramago, Lisboa
Sessão com António Mega Ferreira sobre a poesia de José Saramago

14 de novembro, Fundação José Saramago, Lisboa
Sessão com Jorge Vaz de Carvalho sobre a música na obra de José Saramago

5 de dezembro, Fundação José Saramago, Lisboa
Sessão com Carlos Reis sobre o romance saramaguiano

10 de dezembro (data a confirmar), Torreão Poente da Praça do Comércio, Lisboa
Abertura da exposição «A Rebeldia de Nobel», com fotografias e textos de mais de duas dezenas de escritores vencedores do Prémio Nobel de Literatura
Organização da Câmara Municipal de Lisboa e da Fundação José Saramago, com o apoio da Embaixada da Suécia em Portugal

14 de dezembro, no Museu do Estado do Pará (Belém do Pará, Brasil)
Inauguração da exposição «Saramago - os pontos e a vista», cuja curadoria e de Marcello Dantas

15 de dezembro, Grande Auditório da Culturgest, Lisboa
Estreia mundial da sinfonia Memorial, de António Pinho Vargas, num concerto de celebração dos 70 anos da Declaração Universal de Direitos Humanos."


"Um dia após ser galardoado com o Prémio Nobel de Literatura, José Saramago aguarda no aeroporto de Frankfurt pelo avião que o levará a Madrid. O escritor tem no colo um exemplar de um jornal alemão que publica, na primeira página, o seu rosto. A foto foi feita pelo jornalista e escritor Juan Cruz, na altura editor de José Saramago."

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Revista de Estudos Saramaguianos - Edição #8 (Português e Espanhol) Agosto de 2018

REVISTA DE ESTUDIOS SARAMAGUIANOS
(revista semestral  ISSN 2359 – 3679)


A edição n.8 da Revista de Estudos Saramaguianos está online


Este número da RES reúne trabalhos de leitores da obra de José Saramago de Brasil, Espanha e Argentina. O leitor encontrará textos acerca de "O homem duplicado" (Adrián Huici), "Ensaio sobre a cegueira" (Rodolfo Pereira Passos), "O evangelho segundo Jesus Cristo" (José Luiz Foureaux de Souza Junior), "Levantado do chão" (Luís Alfredo Galeni), sobre o tema da migração na obra de Saramago (Maria Irene Fonseca e Sá), a personagem pelo prisma da dialética e do humanismo (Rosani Ketzer Umbach / Deivis Jhones Garlet), sobre a crônica saramaguiana (Ana Carolina Cangemi), o teatro do escritor português e sua relação com a história de Portugal (José Eduardo de Magalhães Mendonça) e uma leitura comparativa com a obra de Antonio Muñoz Molina observando o tema da alteridade (Graciela Beatriz Perrén). São dois volumes – um em língua portuguesa, outro em língua espanhola – disponíveis gratuitamente na web através do site 
http://www.estudossaramaguianos.com

Editores
Pedro Fernandes de Oliveira Neto (contacto)
Miguel Alberto Koleff (contacto)

"SOBRE
A REVISTA DE ESTUDOS SARAMAGUIANOS é produto do encontro de pesquisadores da obra de José Saramago em Brasil, Argentina e Portugal. Seu viés é o de uma revista acadêmica, bilíngue (Português / Espanhol), com tiragem semestral, gratuita e eletrônica cuja proposta é a publicação de ensaios, documentos e recensões críticas que tenham como escopo a obra do escritor português. Seu objetivo é o de fortalecer os estudos, intercambiar pesquisas e dar a conhecer as diversas possibilidades de leituras em torno da obra saramaguiana."

Também através do Facebook em 



"SUMÁRIO
9 - Apresentação
13 - Infidelidade dos espelhos: O homem duplicado, entre o outro e ele mesmo, ADRIÁN HUICI
30 - A interpelação do outro: Antonio Muñoz Molina, José Saramago, GRACIELA BEATRIZ PERRÉN
39 - Uma análise da sociedade portuguesa, após a Revolução dos Cravos, em duas peças de José Saramago, JORGE EDUARDO MAGALHÃES DE MENDONÇA
53 - Considerações retóricas sobre as crônicas saramaguianas, ANA CAROLINA CANGEMI
72 - A “cegueira branca” e as fendas da razão: a propósito da obra Ensaio sobre a cegueira, RODOLFO PEREIRA PASSOS
84 - A personagem em José Saramago: dialética e humanismo, ROSANI KETZER UMBACH e DEIVIS JHONES GARLET
99 - A migração na visão de José Saramago: a questão do multiculturalismo, MARIA IRENE DA FONSECA E SÁ
121 - O evangelho segundo Jesus Cristo: notas acerca de um (certo) parricídio, JOSE LUIZ FOUREAUX DE SOUZA JUNIOR
135 - Mythos e mímesis em Levantado do chão, LUÍS ALFREDO GALENI"



sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Congresso Internacional “José Saramago: Vinte Anos com o Prémio Nobel”

Congresso Internacional “José Saramago: Vinte Anos com o Prémio Nobel”

Coimbra, Convento São Francisco

8, 9 e 10 de outubro de 2018

Organização: Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra e
Câmara Municipal de Coimbra



© Fotografia de Pedro Soares

"Para celebrar os 20 anos da atribuição do  Prémio Nobel da Literatura a José Saramago, o Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra  organiza, com a Câmara Municipal de Coimbra, o Congresso Internacional  “José Saramago: 20 Anos com o Prémio Nobel” (8  a 10 de outubro de 2018, no Convento São Francisco, em Coimbra). Veja o programa provisório. 

Está em curso, até 31 de julho, a segunda fase de apresentação de propostas de comunicação (aceda aqui à terceira circular e também à ficha de inscrição.). As inscrições sem proposta de comunicação encerram-se a 15 de setembro, tendo sido fixado um máximo de 200 participantes.

Como atividade paralela, foi instituído um prémio de ensaio literário, destinado a estudantes do ensino secundário português. O prazo de envio de trabalhos terminou a 31 de julho. Aceda aqui ao regulamento do concurso.

Foi  atribuída acreditação ao congresso pelo Conselho Científico-Pedagógico de Formação Contínua (grupos: 200 Português e Estudos Sociais/História; 210  Português e Francês; 220  Português e Inglês; 300  Português). 

Apoios: Reitoria da Universidade de Coimbra; Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; Fundação José Saramago; Porto Editora."


8 de outubro
9h30 Cerimónia de abertura.
10h45 Eduardo Lourenço: apresentação do Último Caderno de Lanzarote, de José Saramago.
11h00 Pausa para café.
11h15 Conferência por Teresa Cristina Cerdeira: “Primo Levi e José Saramago: a obra eterna e o quadro infinito”.
13h00 Almoço.
14h30 Sessões paralelas: comunicações.
16h00 Pausa para café.
16h15 Mesa plenária: “Personagens e identidades”.
Ana Paula Arnaut: “Ricardo Reis: o mesmo e o outro”.
Miguel Koleff: “De Juan Maltiempo a Cipriano Algor. Tres o cuatro pinceladas
sobre los personajes saramaguianos”.
Antonio Sáez Delgado: “José Saramago, transiberista”.

9 de outubro
9h30 Mesa plenária: “Diálogo sobre Deus e Saramago”.
Gerson Roani: “Deus como mito literário na escritura de José Saramago”.
Anselmo Borges: “Sobre o Deus de Saramago”.
11h00 Pausa para café.
11h15 Sessões paralelas: comunicações.
13h00 Almoço.
14h30 Mesa plenária: “Outros Saramagos: transmediações”.
Jorge Urrutia: “Intermedialidad y transformación en el cine sobre Saramago”
Filomena Oliveira: “Memorial do Convento e O Ano da Morte de Ricardo Reis – propostas dramatúrgicas”.
Mário Vieira de Carvalho: “Blimunda de Azio Corghi / José Saramago encenada
por Jerôme Savary (1990)”.
16h00 Pausa para café.
16h15 Conferência por David Frier: “De crónicas familiares à construção dum romance: da génese de Levantado do Chão”.
20h00 Jantar do congresso (por inscrição).

10 de outubro
9h30 Conferência por Roberto Vecchi: “Disjecta membra do século breve: memórias em risco e história a contrapelo em dois romances de José Saramago”.
11h00 Pausa para café.
11h15 Sessões paralelas: comunicações.
13h00 Almoço.
14h30 Sessões paralelas: comunicações.
16h00 Pausa para café.
16h15 Conferência por Carlos Reis: “José Saramago e a personagem como alegoria”.
17h00 Sessão de Encerramento: com Pilar del Río.
17h30 O Ano da Morte de Ricardo Reis (adaptação dramatúrgica de Filomena Oliveira e Miguel Real; por Éter – produção cultural).

"Lembro-me" de Marcelo Buanain, fotógrafo e documentarista

A reportagem fotográfica pode ser recuperada e consultada aqui
em, http://www.buainain.com/blog/2013/6/7/lembro-me

"LEMBRO-ME"

"LEMBRO-ME que em 25 de fevereiro de 1996, em Lisboa fui buscar o escritor José Saramago em uma casa localizada no bairro da estrela. Enquanto o conduzia em um simplório carro – por acaso neste mesmo automóvel tive também a honra de transportar o fotógrafo Sebastião Salgado e a sua esposa Lélia – tentava dissimular a minha ansiedade com conversas sobre a nossa amiga em comum, a jornalista Cristina Duran, responsável pela conexão entre nós dois e que gentilmente nos cedeu a sua casa em Alfama para a sessão fotográfica."


A história dessas imagens surge a partir de uma insatisfação pessoal em relação ao padrão dos retratos clichês que na época predominavam nas mídias, levando-me a conceber o projeto Caras e Pessoas, cuja proposta era apresentar uma personalidade portuguesa sob duas óticas: uma face que espelhasse o normal e a outra - a exemplo da famosa fotografia de Albert Einstein com a língua de fora - o insólito, o inusitado. Bingo! A ideia estava concebida, faltava apenas a elaboração de uma lista com os nomes, a concepção para cada retrato e a produção, esta a parte menos atrativa uma vez que se tratavam de celebridades, da disponibilidade de suas agendas e das barreiras geralmente colocadas pelos seus assessores e empresários.


"O drama humano narrado no livro Ensaio sobre a Cegueira, de autoria do Prêmio Nobel José Saramago, inspirou-me a produzir uma série de retratos com ênfase nos olhos do escritor português. A namorada da época declara que a ideia de utilizar a bola de metal partiu dela... Não querendo ignorar o mérito de ninguém, porém é fato que este exercício de brincar com a visão do Nobel para mim não se tratava de uma experiência inédita, pois na década de 80, durante uma sessão fotográfica com o então vizinho, o poeta Manoel de Barros, em alusão à sua figura reservada e avessa à fotografia, servi-me de um caracol para também vedar os seus olhos.
Quando o assunto é retrato, acredito que além da técnica e criatividade seja necessário uma cumplicidade entre o fotógrafo e o seu personagem. Em se tratando do Nobel Saramago, nada foi as Cegas, a sessão aconteceu sem perda da acuidade visual."

Marcelo Buanain
"Nasceu em 1962 na cidade de Campo Grande, Estado do Mato Grosso do sul – Brasil. (...)  fotógrafo e documentarista"


"El legado de Saramago se completa con un texto inédito" de Francisco Chacón (ABC, 19/08/2018)

Pode ser consultado e recuperado aqui
em https://www.abc.es/cultura/libros/abci-legado-saramago-completa-texto-inedito-201808190210_noticia_amp.html?

"Saramago, en su casa de Lanzarote en 2009 - EFE"


El legado de Saramago se completa con un texto inédito
«El cuaderno del año del Nobel», que verá la luz en octubre, permitirá conocer su diario de 1998, año en que fue premiado por la Academia sueca

Francisco Chacón (@chaconbilbao), 19/08/2018

"«El arte no avanza, se mueve», escribió José Saramago en sus «Cuadernos de Lanzarote». Fue poco después de un encuentro literario en Ponta Delgada, donde confrontó sus ideas con Joao de Melo, Francisco José Viegas o Urbano Tavares en medio de la serena inspiración de las islas Azores. Hoy, 25 años después, la Fundación que preside su viuda, Pilar del Río, contribuye a completar su legado sacando a la luz la sexta y última de esas entregas, «El cuaderno del año del Nobel».

Será una edición casi simultánea de este inédito del único Nobel portugués: el 8 de octubre se publicará en Portugal de la mano de Porto Editora (vinculada a la histórica Librería Bertrand, la más antigua del mundo y refugio favorito de Fernando Pessoa durante sus años lisboetas); tres días después Alfaguara la difundirá en España... en el año en el que los escándalos sexuales de la Academia Sueca harán que no se reúna el jurado.

Congreso
Según ha podido saber ABC, la puesta de largo se celebrará el mismo día que se inaugurará el primer congreso acerca de la obra del autor de «Ensayo sobre la ceguera» en la Universidad de Coimbra. El desembarco en las librerías coincidirá, por tanto, con el XX aniversario de la concesión del máximo premio mundial de las Letras, un orgullo para el país vecino, donde su espíritu se mantiene vivo en la Casa dos Bicos, ese feudo del Campo das Cebolas donde la Fundación Saramago despliega su labor.

«En este cuaderno, hay menos vida personal que en los anteriores, en especial el primero. Y hay un mayor posicionamiento cultural y ético», explica Pilar del Río a este diario.

Justo cuando se acaban de cumplir ocho años de la muerte del comprometido escritor, nos llega este broche final a sus diarios, relativo a un año que cambió su vida para sumergirlo en un maremágnum de citas, conferencias y entrevistas con la referencia puesta en su entonces flamante Nobel.

Otros autores, como Günter Grass, han testimoniado la revolución personal que supone la entrega del codiciado galardón. Y Saramago lo comprobó enseguida, tanto que él mismo anticipó que se trataría del cuaderno postrero, ya que se le vino encima toda una avalancha de compromisos.

De acuerdo con Pilar del Río, «el libro aparece en el momento en que más se necesita: entenderán lo que digo cuando vayan avanzando en su lectura. Veinte años después, es el momento adecuado para ciertas reflexiones y confidencias».

Lo que está claro es que no quedó completamente perfilado, a juzgar por las lagunas que se encontraron en el archivo que había permanecido en el disco duro de su ordenador. Por ejemplo, algunos temas no se desarrollan, sino que únicamente se mencionan.

Carpeta
Quien fue su infatigable compañera testimonia las excepcionales circunstancias del hallazgo: «Fernando Gómez Aguilera estaba preparando un volumen centrado en los discursos y conferencias de José. Entonces una noche, mirando en su ordenador en Lanzarote, vi una carpeta en la que no había entrado nunca, llamada “cuadernos”. Ahí vi por primera vez que había un sexto volumen». Y prosigue su relato para este periódico: «Me quedé no ya emocionada, sino helada. También vi que él mismo avanzaba que se publicaría en 2001, aunque luego no fue así».

Pilar del Río subraya la vigencia de los pensamientos contenidos en este libro: sobre la inmigración, sobre Europa, sobre la democracia, sobre la libertad, sobre América Latina.

Además, la edición se completará con la de «Un país levantado en alegría», escrito por Ricardo Viel, brazo derecho de Pilar del Río en la Fundación, para radiografiar el contexto que rodeó a Saramago en aquel 1998. Y todo se amplificará a través del privilegiado altavoz de la Feria del Libro de Guadalajara (México), que contará con Portugal como país invitado del 24 de noviembre al 2 de diciembre."

UIMP Universidad Internacional Menéndez Pelayo - Fotografia de Juantxu Rodríguez (Arquivo da UIMP)

"Universidad Internacional Menéndez Pelayo 
La foto es obra de Juantxu Rodríguez, perteneciente al Archivo de la UIMP." 

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

"Sobre a ignorância" de Monica de Bolle, publicada na revista "Epoca"

A crónica de Monica de Bolle, pode ser consultada e recuperada aqui
em https://epoca.globo.com/monica-de-bolle/sobre-ignorancia-22983986

"Sobre a ignorância"
"Deveríamos almejar não chegar ao fim da campanha presidencial da mesma forma como nela entramos: cheios de interrogações e assoberbados por mistérios inacessíveis
Volto a escrever neste espaço após três semanas de férias no calor escorchante da Península Ibérica. Para fugir da canícula e do excesso de turistas em Lisboa, passei algumas horas na Fundação Saramago deleitando-me com artigos e áudios, frases e reflexões do escritor. Não surpreendentemente, encontrei o melhor resumo da atualidade: “A ignorância é a mãe de todas as polêmicas”. A frase deveria servir como referência não só para os candidatos que pretendem apresentar propostas concretas para resolver os problemas econômicos do país, como também para todos os responsáveis por entrevistá-los e moderar os debates que teremos pela frente.

Durante as férias, pouco acompanhei as entrevistas, sabatinas e os debates de presidenciáveis. A impressão que tenho de tudo que vi desde que voltei é que polêmicas e ruídos continuam abundantes, enquanto o conteúdo é quase nulo, em parte porque muitos candidatos não demonstram interesse em esmiuçar suas propostas, em parte porque o formato das entrevistas e dos debates não permite que o façam. O primeiro debate entre os presidenciáveis, com tantos a se apresentar e falar, nada esclareceu. O resultado da cacofonia foi a citação de entidade fictícia por um candidato cujas chances de se eleger são nulas. A “Ursal” muita polêmica gerou nas redes sociais, muito barulho por nada, embora, como toda polêmica, há quem ainda acredite em sua existência. As sabatinas conduzidas por grandes emissoras de rádio e TV tampouco foram informativas. Na maior parte dos casos, a numerosa bancada de entrevistadores — ainda que formada por excelentes jornalistas — criou profusão de oportunidades para ruídos, pegadinhas e tentativas de esquivar-se de temas espinhosos.

Temos poucos meses para elucidar assuntos básicos e outros nem tão básicos. Temas como a necessidade de fazer a reforma da Previdência, as dúvidas ponderáveis sobre a sustentabilidade do atual teto para os gastos públicos, as propostas para retomar o processo de redução da desigualdade, medidas para aumentar a produtividade e reduzir o desemprego, entre tantos outros assuntos urgentes, precisam ser discutidos para que as pessoas entendam o que significam e como cada candidato pretende resolvê-los. No entanto, do que se viu até o momento,

o risco é que o povo continue ignorante, a ignorância dando espaço para polêmicas inúteis e para a perpetuação do espírito maniqueísta e tribal que assola o país.

Voltando a Saramago, é importante lembrar que ignorância não é sinônimo de simplicidade, humildade ou modéstia. Em 1978, escreveu o escritor português uma de suas mais belas crônicas, intitulada “Carta para Josefa, minha avó”. “Tens as mãos grossas e deformadas, os pés encortiçados. Carregaste à cabeça toneladas de restolho e lenha, albufeiras de água. Criaste pessoas e gado (...). Não sabes nada do mundo. Não entendes de política, nem de economia, nem de literatura, nem de filosofia, nem de religião.” A perplexidade do escritor se desvela nas palavras finais, em que revela não entender como pessoa tão humilde e simples, tão aparentemente distante dos problemas do mundo, possa por ele ter tanto interesse ao revelar, aos 90 anos, a pena que sente em morrer. A simplicidade das palavras escolhidas por Saramago para escrever para sua avó, que talvez não o entendesse caso o vocabulário fosse mais rebuscado, é outra lição para candidatos, jornalistas, formadores de opinião, todos aqueles, enfim, que querem que os eleitores entendam o que está em jogo. Não é a sociedade, mas sim o povo que terá de decidir o que quer. Não é déficit fiscal, mas quanto o governo gasta acima do que arrecada com impostos. Não é ajuste fiscal, mas arrecadar mais do que se gasta por meio da redução das despesas do governo. Para que isso seja possível, o governo não pode mais dar benefícios a quem não precisa nem pagar aposentadorias generosas para aqueles que têm recursos para se sustentar — por isso a reforma da Previdência. Citar enxurrada de números mais confunde e desinteressa do que elucida.

Parafraseando Saramago, deveríamos almejar não chegar ao fim da campanha presidencial da mesma forma como nela entramos: cheios de interrogações e assoberbados por mistérios inacessíveis. A ignorância não pode ser soberana.

Monica de Bolle * Diretora de estudos latino-americanos e mercados emergentes da Johns Hopkins University

"Los libros de la isla desierta: “Ensayo sobre la lucidez, de José Saramago’" de Óscar Hernández Campano, publicado em "Culturamas" (21/08/2018)

Los libros de la isla desierta: “Ensayo sobre la lucidez, de José Saramago’ 
de Óscar Hernández Campano, publicado em "Culturamas" (21/08/2018)

Pode ser consultado e recuperado aqui
em https://www.culturamas.es/blog/2018/08/21/los-libros-de-la-isla-desierta-ensayo-sobre-la-lucidez-de-jose-saramago/



"Cada pocos años tengo una cita con José Saramago. Desde que lo conocí en persona en la feria del libro de Madrid en 2003, regreso de vez en cuando a su prosa magnética para zambullirme en sus historias tan originales como profundas. Comencé con La caverna, a aquella fábula sobre la voracidad del capitalismo le siguieron otro títulos del portugués inmortal y no hace tanto, me adentré en la ceguera blanca que colma su extraordinario Ensayo sobre la ceguera. Obviamente le había de seguir este título que hoy comparto con vosotros y que me acompañará a la isla desierta. El Ensayo sobre la lucidez es, sin lugar a dudas, un texto que rezuma lucidez y clarividencia por los cuatro costados. Publicado en 2004 y con traducción de Pilar del Río, se adelantó el Nobel a la crisis económica y sobre todo a la revolución política que supuso el 15-M en España y otros movimientos paralelos, similares o parecidos en otros estados del mundo. Saramago parte, como siempre hace, de una forma magistral, sencilla e inteligente, de un supuesto plausible, o no, verosímil, al menos en el universo de la narración, al tiempo que increíble para este mundo en el que vivimos.

Fue un especialista el escritor afincado en Lanzarote de las premisas sorprendentes que se resumen en un: ¿Qué pasaría si…? Y eso es lo que plantea en este Ensayo sobre la lucidez. ¿Qué pasaría si la mayoría de la población votara en blanco? La respuesta, con idas y venidas, con salto de protagonista, con múltiples aristas, con un tono que pasa de la euforia al pesimismo, se desarrolla durante más de 300 páginas que pasan volando. El don de José Saramago era la capacidad de coger de la mano al lector y llevarlo a través de sus páginas, arrojarlo a la corriente de narración propia y peculiar del Nobel, para que llegue, de forma fluida y apacible, a un final abrupto, duro, estremecedor que, en página y media, sobre todo en unas líneas, abofetea al lector y le hace quedarse temblando y, sobre todo, le obliga a reflexionar sobre todo lo que ha propuesto el narrador, que poco no ha sido.

Pues bien, en la capital portuguesa, las elecciones municipales dan como resultado un voto en blanco de las tres cuartas partes del censo. El Gobierno, de derechas, seguido por el partido del medio, y de lejos por el de izquierda, este último intentando hacer suyo el voto de protesta, decide repetir las elecciones. Es que llovía a cántaros, la gente  no lo tenía claro, esto no puede ser. Así que se repiten y la participación masiva, en una soleada jornada electoral, da como resultado que el 83% de los votantes han depositado en las urnas votos en blanco. El Gobierno, noqueado por el resultado y sin precedentes a los que agarrarse, declara el estado de sitio, evacúa los poderes del Estado de la capital, ordena a la policía y al ejército que abandonen la ciudad y la rodea militarmente, a la espera de que la anarquía y el caos purguen y castiguen a la indisciplinada Lisboa. Sin embargo, nada de eso sucede. La ciudad se organiza y vive con calma la nueva situación. No obstante, los gobernantes, temiendo que la revolución se extienda por el país y sospechando que un grupo está detrás de lo que califican como un ataque a la democracia, tomarán cartas en el asunto.

José Saramago nos plantea cuestiones trascendentales en esta novela. ¿Hasta qué punto la ciudadanía ha sido domesticada por el sistema? ¿Cómo reaccionarían los gobiernos ante una situación, pacífica y democrática, que altera el juego de los partidos políticos? ¿Qué harían los políticos para volver al status quo previo? ¿Seríamos los ciudadanos capaces de organizarnos para recuperar el poder político que nos corresponde?

La novela, llena de matices, críticas más o menos veladas y personajes, nuevos y ya conocidos, que se nos antojan no sólo verosímiles, sino cercanos y llenos de sentimientos, pasiones e ideas humanas, se apodera de nuestros sentidos y nuestra mente para hacernos partícipes de la revolución democrática que vive la capital portuguesa (a la que sus políticos le roban la capitalidad del Estado por disoluta y rebelde). Saramago nos dice que el voto es sagrado, que es poderoso, que el sistema democrático se sustenta en el derecho a la libertad de expresión, de ideología, de prensa, de pensamiento y, por supuesto, a votar lo que consideremos oportuno. ¿Por qué si el 83% vota a un partido el resultado es legítimo y si lo hace en blanco es porque hay una conspiración detrás?

Dentro de un tiempo regresaré a mi cita con el maestro José Saramago y me adentraré en una nueva propuesta tan fantástica como realista, pero, sobre todo, lúcida."

"Saramago para além do romance – Um nobel em outros gêneros" de José Figueiredo via "Homo Literatus"

"Saramago para além do romance – Um nobel em outros gêneros"  
de José Figueiredo, publicado em "Homo Literatus"

O texto pode ser consultado e recuperado aqui



"A obra do Nobel de 1998 é bem maior do que apenas a sua faceta conhecida nos romances. Saiba quais são os livros de poesia, conto e teatro de Saramago.

Quando se fala de José Saramago, alguns lugares comuns são inevitáveis: ser o único autor de língua portuguesa a receber o Nobel de Literatura; os seus romances extensos com períodos longuíssimos e parágrafos infindáveis; a análise crítica da História portuguesa; a tentativa de mostrar alguns problemas do mundo moderno e seus desdobramentos. O que, porém, nem sempre se fala é que a obra do Nobel de 1998 é bem maior do que apenas a sua faceta conhecida nos romances.

Se juntarmos o conjunto da obra, encontraremos um complexo amalgama formado peças de teatro, livros de contos – por mais difícil que possa parecer aos que conhecem seus romances caudalosos -, poesia, crônica, diários, memórias, livros de viagens e (imaginem só!)  até um livro infantil.

Para aqueles que ainda não conhecem o autor para além dos romances, elencamos algumas obras de outros gêneros para quem quiser ir além dos romances no mundo saramaguiano.

Que farei com este livro? (Teatro)
É provavelmente a melhor das cinco peças escritas por José Saramago, além de ser a que tem o mote mais interessante: Luís de Camões retorna das Índias depois de muito sacrifício e da ajuda de um amigo e deseja publicar a sua grande obra, Os Lusíadas. Mas estamos em Portugal do século XVI, ou seja, temos a Inquisição que não vê com bons olhos um livro onde deuses pagãos ditam o destino da humanidade; além disso, vemos uma corte portuguesa ociosa, puxa-saca e comandada por Dom Sebastião – um sujeitinho um tanto aficionado em lutar contra os mouros no norte de África. Mesmo sendo uma peça – e não tendo, assim, um narrador –, José Saramago consegue mostrar o mundo contraditório e por vezes mesquinho de Portugal por meio de diálogos afiadíssimos.

Cadernos de Lanzarote (Diários)
Escritos por Saramago no alto dos seus setenta anos, estes cadernos são o cotidiano do escritor português entre 1993 e 1995. Neles encontramos os mais variados assuntos: o cotidiano caseiro em Lanzarote; comentários sobre o que é Literatura e sobre outros autores; a reação de Saramago frente aos acontecimentos do mundo e ao recebimento do Prêmio Camões; a sua evolução no romance que escrevia à época, Ensaio Sobre a Cegueira. Não há nada de bombástico nesses cadernos-díários, encontramos apenas o autor a se desvelar dos assuntos mais prosaicos – sobre o fato de ter aparecido mais um cão sem dono à sua casa, por exemplo – aos mais complexos e espinhosos, sempre com total dedicação e entusiasmo.

O Conto da Ilha Desconhecida (Conto)
Pode parecer estranho, ou até aterrador, que Saramago tenha escrito contos, dado o seu estilo nada conciso de escrita, mas o fato é que ele se aventurou pelas histórias curtas algumas vezes durante a vida, tendo encontrado o seu melhor resultado nesse livretinho de trinta e pouca páginas. O mote que dá espaço para as divagações do autor é bem simples: um homem bate no castelo e pede um barco para descobrir uma ilha; sendo indagado qual ilha ele quer descobrir, ele responde que quer descobrir a dita ilha desconhecida do título. Saramago, assim, cria uma grande metáfora sobre o homem, focando suas ambições e frustrações durante a existência.

O Ano de 1993 (Poesia)
Quando se fala desse livro, normalmente é para se mostrar espanto em relação a ele. Escrito antes de Saramago retomar o romance, gênero que havia abandonado há vinte cinco anos, temos narrado aqui um mundo distópico onde o caos está instalado. Uma alegoria da história da humanidade (é fácil reconhecer vários eventos da história). Já aqui o autor mostra muitas das características que fariam parte da sua escrita a partir de então: sintaxe flexível, personagens sem nome, histórias/parabólicas (estes dois últimos pontos, ele retomaria apenas vinte anos depois, em Ensaio Sobre a Cegueira). Um ponto de transição da sua incursão pelo mundo da poesia para o da prosa, o livro é composto por pequenos trechos de escrita elíptica, que nada lembram a enxurrada de palavras que estava por vir. É um livro interessante para quem quer conhecer um grande escritor em formação.

Há ainda outras recomendações que poderíamos fazer, tais como Os Poemas Possíveis, seu primeiro livro de poesia, ou as peças A Segunda Vida de Francisco de Assis e In Nomine Dei, nas quais Saramago aborda mais uma vez a boa e velha religião católica. Seja como for, José Saramago é um mundo a parte – muito maior que apenas seus romances conhecidos."

terça-feira, 14 de agosto de 2018

"Aquilo que não foi esquecido continua vivo e presente" - José Saramago (in Revista Blimunda #74 - Julho de 2018)



Link da edição #74 da Revista Blimunda (Julho de 2018)

Páginas 61 a 70

"Em 1998, meses antes de receber o Prémio Nobel, José Saramago concedeu ao jornal italiano Liberazione uma extensa entrevista a propósito do romance Todos os Nomes, que acabara de ser publicado em Itália. A Blimunda publica as respostas que o escritor enviou ao jornalista Marco Romani, por fax, no dia 30 de agosto. 
As perguntas, embora não estejam reproduzidas por José Saramago, deduzem-se da leitura das respostas enviadas.

1) A vida do Sr. José funcionário duma conservatória de Registo Civil nada tem que ver com a minha. Nunca vivi só, estou casado pela terceira vez, tenho uma filha e dois netos. Também não assaltei escolas nem falsifiquei documentos. O facto de o Sr. José ter esse nome resulta apenas do facto de eu ter pretendido dar-lhe um nome banal que estivesse de acordo com a insignificância do personagem. Não encontrei nome mais banal que o meu próprio... Não é este o primeiro romance em que os personagens não têm nome. Já em Ensaio Sobre a Cegueira isso sucedia. Nesse caso foi a exepcionalidade da situação criada – uma cidade de cegos, um mundo de cegos – que me fez compreender como são frágeis os nomes que usamos, como facilmente deixam de ter significado quando o indivíduo se dissolve no grupo, no bando, na multidão. Nos campos de concentração não se tatuavam nomes, mas números, e as sociedades em que hoje vivemos parecem mais interessadas em conhecer o número do nosso cartão de crédito do que em saber como nos chamamos. O caso de Todos os Nomes é diferente. Pessoas diferentes têm o mesmo nome, dizer o nome não é suficiente para «dizer» a pessoa. O Sr. José sabe como se chama a mulher desconhecida, mas isso é o mesmo que nada saber. 

2) Não afirmo que procurar uma coisa seja o «único» significado que ela tem, mas, tratando-se do «outro», o caminho que nos deveria levar a ele não tem ponto de chegada. Iremos aproximando-nos cada vez mais, mas nunca poderemos dizer: «Conheço-te». O Sr. José tem consciência dessa impossibilidade (uma consciência difusa, mas que está presente em todos os seus actos), por isso semeia de obstáculos o seu caminho. Vencer esses obstáculos é mais importante para ele do que
encontrar o objecto da busca.

3) Ponhamo-nos no lugar do Sr. José, ou talvez não seja preciso tanto. Na vida de cada um de nós houve pelo menos um momento em que tivemos de «inventar» uma razão para mudar a vida, uma razão maior que nós, uma razão capaz de transportar-nos aonde não nos levaria a rotina do quotidiano. O que o Sr. José fez foi «inventar» uma ilha desconhecida e lançar-se ao mar à procura de si mesmo, que é o que realmente fazemos quando procuramos o «outro»...

4) A ordem hierárquica dos funcionários da Conservatória pode ser interpretada com a ordem de uma História em que todos os factos, datas e nomes tivessem os seus lugares marcados e fixados de uma vez para sempre. O Sr. José irá perturbar esta fixidez, primeiro procurando alguém a quem não deveria procurar e sem para tal estar autorizado, depois, pouco a pouco, fazendo desaparecer a linha que separa a morte da vida, ou a vida da morte, segundo se prefira. O Sr. José, se se me permite a ousadia, é uma espécie de Orfeu...

5) Da colecção de notícias do chefe da Conservatória não chegamos a saber nada. Sabemos apenas que ele tem conhecimento de tudo o que se vai passando. Aproxima-o do Sr. José precisamente o carácter «subversivo» das acções deste, e essa aproximação torna-se em cumplicidade quando o chefe compreende que a humanidade autêntica é o conjunto dos mortos e dos vivos, confundidos uns com os outros no ontem e no hoje, inseparáveis no agora e no sempre.

6) Na Conservatória estão os papéis da vida e da morte de todos os seres humanos nascidos, no Cemitério estão os restos dos que já não pertencem à vida mas pertencem invisivelmente à História. Assim, Cemitério e Conservatória são complementares, nenhum deles poderia existir sem o outro. No fundo são uma coisa só.

7) Penso que comentemos um erro grave quando esquecemos os nossos mortos, crendo que essa é a maneira de negar a morte. Também tentamos negar a velhice quando retiramos os velhos da vida afectiva e social. Nesse momento começamos a esquecê-los. Como em Todos os Nomes está escrito, só o esquecimento é a morte definitiva. Aquilo que não foi esquecido continua vive e presente.

8) Essa declaração é feita por um dos personagens do romance, e não por mim... Mas é verdade que a metáfora nos aparece como uma iluminação das coisas diferente, como uma luz rasante que iluminasse o releve de uma pintura. A metáfora é um pressentimento do saber total. Quanto ao dever e ao fim da literatura, recordemos que os seus fins e os seus deveres foram diversos e nem sempre concordantes ao longo do tempo. Como não foram iguais e muitas vezes foram opostos os deveres e os fins das sociedades humanas, de que a literatura é, ao mesmo tempo, reflexo e reflector.

9) O fim do milénio é um mero acidente de calendário. O que está a acabar, de facto, é uma civilização. Paulo Valéry não imaginava a que ponto tinha razão quando escreveu: «Nós, civilização, sabemos agora que somos mortais.» Já antes o deveríamos ter sabido se fôssemos capazes de aprender com o passado. O tipo humano que começou a definir-se na época do Iluminismo está a extinguir-se. Não sei o que virá depois dele. Penso, contudo, que não haveria lugar para mim nos tempos que se aproximam...

10) A pergunta não deveria ser «que é que existe ainda da esquerda?», mas sim «que foi o que abandonámos da esquerda?». Nesse caso direi que muitos (muitíssimo) abandonaram o que chamo um «estado de espírito de esquerda» para passar-se, fosse por ambição, oportunismo, ou cobardia moral, ao outro lado, mesmo quando fingem contestá-lo. Contra todas as aparências, a questão central do nosso tempo não é a globalização da economia, mas a ética. Espero que a esquerda (a que ainda resta) o descubra a tempo...

11) A mesma Europa que gastou séculos e séculos para conseguir formar cidadãos, só precisou de vinte anos para transformá-los em clientes. Sócrates tornaria a pedir o vaso de cicuta...

12) A cultura «europeia» não existe como tal. E se alguma vez vier a existir, temo que não seja «europeia» no sentido de uma síntese mais ou menos lograda das suas diversas culturas nacionais, mas sim o resultado do predomínio de uma dessas culturas sobre as outras. A globalização, seja ela mundial ou apenas europeia, é um totalitarismo."